Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

Profissionais da saúde participam de simpósio sobre Diabetes Mellitus

Incidência da doença cresce de forma alarmante no Brasil, que só perde para os Estados Unidos e a China

A Campanha de Combate ao Diabetes Mellitus, iniciada no último dia 19 em Parauapebas, prosseguiu nesta quarta-feira (28), com um simpósio sobre a doença. Quem abriu o evento foi a médica endocrinologista, Daniela Arakaki, com a palestra “Diabetes Tipo I e II, Otimizando o Tratamento”. Em seguida foi a vez da palestra “Diagnóstico e Tratamento do Pré-Diabético”, ministrada pelo médico clínico Wilian Ribeiro Araújo Júnior. A “Nefropatia Diabética” também esteve presente na palestra da médica nefrologista Verônica Costa, que detalhou como prevenir, diagnosticar e tratar.

“Diabetes associado às doenças cardiovasculares: diagnóstico e tratamento”, foi tema na palestra ministrada pela médica Larissa Sousa. O simpósio encerrou com a nutricionista Suzane Siqueira, com a palestra “Dieta e Exercícios no Diabetes: adaptações funcionais no controle metabólico”.

A taxa de incidência da doença vem crescendo em todo o Brasil e preocupando os órgãos de saúde. Crescimento esse que foi de 61,8% nos últimos dez anos, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Nada menos que 16 milhões de brasileiros sofrem de diabetes, o que coloca o Brasil no 4º lugar no ranking dos países com o maior número de casos, atrás apenas da China, Índia e Estados Unidos. Os últimos dados revelam que, em 2016, o diabetes matou 61.398 pessoas, de acordo com o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). De 2010 a 2016, o número de vítimas da doença foi de 406.452.

Os índices são tão alarmantes que o diabetes já é considerado uma epidemia global e atinge cerca de 400 milhões de pessoas em todo o planeta. A doença é crônica e progressiva e seu cuidado requer controle do açúcar no sangue. A exemplo do que tem ocorrido em todo o Brasil, Parauapebas também se volta para o problema, que somente pode ser controlado com políticas preventivas e com a mudança de hábitos alimentares da população.

Deixe uma resposta