Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
OPERAÇÃO ASSÍRIOS

Polícia prende empresária e ex-secretário de obras de Redenção que eram considerados foragidos

Eles são acusados pelo Ministério Público de desviar cerca de R$ 15 milhões em contratos administrativos em Redenção entre 2013 a 2015

No final da manhã desta quarta-feira, 05, entregaram-se à Polícia Civil os empresários Kelly Borges de Araújo Machado e Clainor Scalabrin. Eles estavam foragidos da Justiça desde o dia 18 de outubro, quando da deflagração da segunda fase da Operação Assírios, da Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas – DRDP, vinculada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado -DRCO, e da Promotoria de Justiça de Redenção, no Pará.

Kelley é empresária e esposa de Carlos Henrique Machado, que segundo a Polícia, é líder da organização criminosa que tem ainda Luiz Henrique Machado (filho de Carlos), também empresário, como integrante da organização.

Clainor Scalabrin era, à época dos fatos, secretário de obras da Prefeitura de Redenção e se beneficiava conscientemente, participando ativamente para a consecução do esquema criminoso, com locação de veículos para as prestadoras de serviço da prefeitura.

Entendendo a Operação Assírios

Na ocasião da segunda fase da operação Assírios foram cumpridos mandados de prisão em cidades do sul do Estado, e nos Estados de Tocantins e Minas Gerais. A operação é coordenada pelos Delegados Carlos Vieira e Tarsio Martins da Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas, unidade vinculada a DRCO e pelo Promotor de Justiça Leonardo Caldas de Redenção.

A investigação apurou fraudes ocorridas na gestão municipal de Redenção em sete contratos administrativos dos anos de 2013 a 2015 que ultrapassam o valor de R$15 milhões. No dia 13 de setembro mais de 80 policiais civis e do Ministério Público deflagraram a primeira fase da operação policial, ocasião em que foram cumpridos 24 mandados judiciais de busca e apreensão e prisão nas cidades de Redenção, Rio Maria e Tailândia. Naquela ocasião foi apreendida farta documentação na Prefeitura Municipal de Redenção, secretarias municipais, sedes de empresas e residências de alguns indiciados. Foram presos empresários e agentes públicos, entre eles os empresários Carlos Henrique Machado, Luiz Henrique Pereira Machado, José Luiz Noletto Soares e os agentes públicos Sivaldo Alves dr Souza e Valdeon Alves Chaves.

Veja também:  IBGE atualizará números de nascimentos e mortes nos municípios nesta quarta (31)

Em outra decisão judicial foi bloqueado o valor de R$ 21 milhões do patrimônio dos indiciados.

A operação teve início às 6h00, quando foram foram presas três pessoas nos municípios de Rio Maria e Redenção, no Estado do Pará. Em Uberlândia, no Estado de Minas Gerais, foram presos Erlan Silva Cassimiro, Heloísa Helena Machado e Alessandro Dantas de Araújo. No final daquela manhã Patrícia de Sousa Gonçalves foi presa no município de Parauapebas, no Pará.

Posteriormente também foi preso o advogado e ex-procurador-geral do Município de Redenção, Sérgio Santana.

“O esquema crimino se dava através de fraudes osquestrada por seus membros com a montagem de um procedimento licitatório – com o beneplácito do secretário de obras, empresários e demais servidores – a fim de que empresas previamente designadas, com propostas vantajosas apenas para os agentes criminosos, em detrimento da administração pública, e com valores com sobrepreço, fossem vencedoras, passando a desviar recursos com a não execução ou execução parcial dos contratos, ou ainda com superfaturamento destes. Os ativos subtraídos da municipalidade retornavam aos seus defraudadores”, afirmou o delegado Carlos Vieira, titular da unidade policial especializada em combate a desvios de recursos públicos.

Os presos ficarão custodiados pela SUSIPE no Centro de Recuperação Regional de Redenção à disposição da Justiça.

 

Seja o primeiro a escrever um comentário

Deixe uma resposta