Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Saúde Pública

Pará vai usar 55 mil mosquiteiros com inseticida para espantar a malária

Estado tem sete municípios considerados prioritários e aproximadamente 67 mil pessoas serão contempladas pela estratégia do Ministério da Saúde. Este ano, 145 mil já contraíram malária no Brasil.

O Ministério da Saúde vai distribuir 55 mil mosquiteiros impregnados com inseticidas de longa duração como estratégia complementar ao combate à malária. A distribuição, que acontece este mês, vai beneficiar 66,9 mil pessoas de sete municípios considerados prioritários no enfrentamento da doença: Bagre, Oeiras do Pará, Anajás, Curralinho, Itaituba, Cametá e Portel.

A ação é complementar “porque a principal estratégia é o diagnóstico e tratamento precoce, buscando evitar os óbitos e a gravidade da doença, assim como reduzir a carga de plasmódio circulante no território, visto que o único reservatório do agente que causa a malária é o ser humano”, explica Cássio Peterka, coordenador substituto dos Programas Nacionais de Controle e Prevenção da Malária e das Doenças Transmitidas pelo Aedes.

Em 2011 e 2012, foram distribuídos mais de um milhão de mosquiteiros na região amazônica. Por ser uma estratégia efetiva para prevenção e controle da malária, o Ministério da Saúde a adotou com o objetivo de realizar aquisições e distribuição anual deste insumo.

Além disso, foi publicada a Portaria 1.958, de 28 de junho, que autoriza o repasse de recursos financeiros do Fundo Nacional de Saúde aos fundos estaduais e municipais de Saúde, totalizando o montante de R$ 10,3 milhões, para custeio da intensificação das ações de controle da doença, aos estados e alguns municípios prioritários do Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia e Roraima.

Além do repasse de recursos extras e exclusivos para o combate à doença, o Ministério investe na ampliação do diagnóstico, garante o abastecimento dos estados em relação aos testes rápidos e prevê ampliação de mais 20% da rede diagnóstica de malária no Brasil para 2019. O Ministério da Saúde garante, ainda, o tratamento completo pelo SUS e envia insumos para as ações de controle vetorial (inseticidas).

Veja também:  Pará é o que menos investe na saúde de seus habitantes, aponta CFM

Casos de malária

A Amazônia concentra mais de 99% dos casos de malária do Brasil, mas os demais estados também possuem áreas com a presença do vetor (áreas receptivas para malária), onde podem ocorrer a reintrodução da malária e surtos a partir de um caso importado.

Na região amazônica foram registrados 144.146 casos de malária, de janeiro a setembro deste ano. Em todo o Brasil, dados preliminares revelam que, em 2017, foram notificados 194.425 casos de malária. Em 2018, no período de janeiro a setembro, foram registrados 144.710 casos da doença no país.

Depois de dez anos de redução de casos, em 2017 o país apresentou acréscimo de mais de 50% dos casos (comparados a 2016). No ano de 2018, este aumento continuou, mas com os investimentos e apoio do Ministério da Saúde, os estados e municípios já vêm demonstrando sinais de redução de casos. (Com informações da Ascom do Ministério da Saúde)

Deixe uma resposta