Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Jacundá

Manifestação lembra morte no trânsito na cidade de Jacundá

Mais de 500 pessoas participam de passeata e pedem fim da imprudência no trânsito no município
Continua depois da publicidade

Andressa Fonseca, 18 anos. Jairo Miranda, 32 anos. Duas vítimas interrompidas pela imprudência no trânsito na cidade de Jacundá. Para cobrar das autoridades providências em relação a essas mortes, mais de 500 pessoas, entre estudantes, professores, vítimas de acidentes de trânsito e moradores da cidade de Jacundá participaram de um ato público. Intitulada “Basta: chega de tragédias no trânsito”, a manifestação encerrou em frente o prédio da Prefeitura de Jacundá, às 18 horas de quarta-feira, 3.

A mobilização foi motivada depois da morte do professor Jairo Miranda, vítima de uma ação imprudente de um condutor de moto que empinava o veículo pela Rua 10 de Julho, Bairro Aparecida, na noite de sábado, 29, e colidiu o veículo contra o educador e mais um casal. Jairo morreu no local. E o casal de mãe e filho continua internado no Hospital Regional de Tucuruí. O causador da tragédia continua com a identidade desconhecida.

Este não é o primeiro caso em que moradores perdem a vida após ação imprudente de motociclistas. Em menos de um ano são três os casos de pessoas que vieram a óbito nessas circunstâncias. Andressa Costa Fonseca, de 18 anos, de idade foi atropelada na madrugada do dia 17 de setembro do ano passado por um rapaz que também praticava o mesmo ato infracional pelas ruas de Jacundá.

Veja também:  Parauapebas inicia Semana de Trânsito com blitz educativa

Além de Andressa, no ano passado um adolescente também veio a óbito quando praticava o ato de empinar o veículo. Sobre as vítimas com lesões leves, graves e gravíssimas não há estatísticas. Como lembrete, no último final de semana, aconteceram 31 acidentes com envolvimento de motos. E empinar os veículos é comum, tanto durante o dia quanto à noite pelas ruas de Jacundá.

Uma fonte ligada ao Departamento Municipal de Trânsito Urbano de Jacundá (DMTU) disse que “é difícil combater o ato porque geralmente essas motos não possuem placas, o que dificulta a notificação e abordagem. E quem pratica isso não respeita as leis e quando veem os agentes de trânsito saem em disparada”.

Empinar motos é infração gravíssima e punida com 7 pontos na carteira, além de multa de R$ 293,47 e suspensão do direito de dirigir e recolhimento do documento de habilitação.

Antonio Barroso
Fotos: Samuel Magalhães

Deixe uma resposta