Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Brasil

Especialistas de renome internacional discutirão desafios do Brasil em seminário

Debates visam aportar subsídios e identificar os principais obstáculos que emperram o desenvolvimento do Brasil como ator internacional de respeito e com o protagonismo nas áreas de Política Externa, Defesa e Inteligência

O presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN), deputado Nilson Pinto (PSDB/PA) será o anfitrião de alguns dos maiores especialistas internacionais nas áreas de Política Externa, Defesa e Inteligência, em seminário a ser realizado na próxima quarta-feira (21), das 9h às 18h30, no Auditório “Nereu Ramos”, da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF). Ele lembra que há muito se discute como interligar três políticas de Estado em uma única direção, tornando cada uma delas mais forte e vigorosa. “A proposta deste seminário é justamente discutir os desafios com os quais o Brasil terá de lidar a partir de 1º de janeiro, com a inauguração de uma nova Administração e de um novo Congresso”, destacou.

No campo econômico é importante lembrar que o País é responsável por mais de 40% da economia latino-americana e todas as suas políticas impactam a região. Têm-se ainda cerca de 17 mil km de fronteiras com dez países, o que obriga o Brasil a pôr em prática uma diplomacia focada na cooperação e que implica, ainda, esforços em relação aos temas de Defesa e de Inteligência e mediação de conflitos que venham a ocorrer na região.

Os trabalhos do seminário estarão disponíveis para a análise da equipe de transição do presidente eleitos Jair Bolsonaro, a título de colaboração.

Segundo Nilson Pinto, “a CREDN espera, com a realização do Seminário Política Externa, Defesa e Inteligência na Projeção Internacional do Brasil, encerrar esta legislatura com um debate de alto nível em torno dessas temáticas e prestar sua contribuição para o constante aprimoramento da doutrina, dos marcos regulatórios e das ações nessas áreas”.

Expositores

Após a cerimônia de  abertura do evento, que contará com a presença do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, entre outras autoridades. O embaixador João Clemente Baena Soares proferirá uma Aula Magna onde abordará o tema: “O Brasil em busca do seu lugar no mundo: nossos deveres e nossas responsabilidades como ator regional e global.”

O embaixador João Clemente Baena Soares é paraense de Belém e foi o único brasileiro a ocupar o cargo de secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), principal mecanismo de concertação política do hemisfério ocidental, por dez anos, entre 1984 e 1994.

Antes disso, o diplomata já contava com 31 anos de serviço diplomático no Brasil, e, mais especificamente, exercia a função de secretário-geral das Relações Exteriores do Brasil (1979-1984).

Em seguida, terão início os trabalhos temáticos com a exposição de especialistas que farão painéis que posteriormente serão comentados por moderadores especializados em cada tema.

Na primeira Mesa o tema será: “Diplomacia, cooperação e integração: política externa e defesa na projeção do Brasil”, que será apresentado pelo embaixador Rubens Barbosa, diretor-presidente do Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior (IRICE), que fará uma exposição ressaltando que em 2019, o Brasil dará início a um ciclo político que cobrará do País um posicionamento assertivo em relação à agenda internacional em rápida transformação em todos os campos da política, do comércio e da segurança.

Cabe discutir se o país terá voz e protagonismo e se estes guardarão lugar com os interesses nacionais. E prossegue com a apresentação de Maria Luiza Viotti, chefe de Gabinete do SG da ONU. Em seguida, Robson Braga de Andrade, da Confederação Nacional da Industria (CNI) apresenta o seu trabalho, seguido de Paulina Duarte, diretora do Departamento de Segurança Pública da OEA e pelo General Paul Cruz, especialista em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília.

Perfil Rubens Barbosa – é diplomata de carreira, consultor de empresas e mestre em Política Internacional pela London School of Economics and Political Science, o Embaixador Rubens Barbosa ocupou muitos cargos no Governo brasileiro e no Ministério das Relações Exteriores: Secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda; Representante Permanente do Brasil junto à Associação Latino Americana de Integração (ALADI); Subsecretário-Geral de Integração, Comércio Exterior e Assuntos Econômicos do Ministério das Relações Exteriores; e Coordenador da Seção Brasileira do Grupo do Mercosul. Foi Embaixador do Brasil em Londres, de janeiro de 1994 a junho de 1999, e em Washington, D.C., de junho de 1999 a março de 2004. Quando em Londres, ocupou por cinco anos o cargo de Presidente da Associação dos Países Produtores de Café (APPC).

Perfil Maria Luiza Viotti – é chefe de Gabinete do Secretário-Geral da ONU. Diplomata desde 1976, foi Representante Permanente do Brasil junto às Nações Unidas, entre 2007 e 2013. Embaixadora da Alemanha, de 2013 a 2016. Subsecretária-Geral para a Ásia e o Pacífico, no Ministério das Relações Exteriores. Também chefiou a Divisão de América do Sul, e os departamentos de Direitos Humanos e Assuntos Sociais e de Organismos Internacionais, ambos no Itamaraty.

Perfil de Robson Braga de Andrade – Robson Braga de Andrade (São João del-Rei, 1948) é um engenheiro mecânico brasileiro. É o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Perfil Maria Paulina Duarte – é mestre e doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo. Atualmente é Diretora do Departamento de Segurança Pública e Secretária Interina de Segurança Multidimensional da Organização dos Estados Americanos (OEA). Antes de assumir sua posição na OEA, em Washington DC (EUA), os mais de 35 aos de experiência profissional da dra. Paulina Duarte lhes permitiram exercer, durante 10 anos, posições de destaque no Governo Federal do Brasil, culminando com sua nomeação como Secretária Nacional de Políticas sobre Drogas. Em âmbito internacional, foi por mais de uma década delegada representante do Brasil em fóruns de alto nível sobre drogas e foia responsável pela coordenação do grupo de especialistas para modernização da Estratégia Hemisférica de Drogas da CICAD/OEA. Em matéria de políticas de segurança pública. É a idealizadora das redes interamericanas de Prevenção da Violência e da Criminalidade, da rede de desenvolvimento e profissionalização policial e da rede de Informação e Conhecimento em Segurança Pública.

Perfil do general Paul Cruz – é militar do Exército Brasileiro, formou-se na Academia Militar das Agulhas Negras, sendo declarado Aspirante a Oficial de Infantaria em 1978. Como Tenente e Capitão exerceu funções típicas da Arma e também foi instrutor da Academia Militar das Agulhas Negras e Oficial do Gabinete Militar da Presidência da República. Completou os cursos de Paraquedista e Mestre de Salto; e os Estágios Salto Livre, Básico de Montanha e de Motociclista Militar. Como oficial superior, serviu no Ministério da Defesa, na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, na Academia Militar de West Point (EUA) e no Estado-Maior do Exército. E ainda, concluiu os cursos de Comando e Estado-Maior e de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército. No Estado-Maior foi relator da revisão da metodologia do Sistema de Planejamento Estratégico do Exército. Como Coronel, comandou o Batalhão de Polícia do Exército de Brasília e o Batalhão de Infantaria de Força de Paz no Haiti – 8º Contingente. Foi promovido ao posto de General-de-Brigada em novembro de 2008 e nomeado comandante da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada em Ponta Grossa – PR. Em março de 2010, foi designado pelo Secretário-Geral da ONU para ser o Force Commander da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH). Era o 5º Subchefe do Estado-Maior do Exército quando foi designado, novamente pelo Secretário-Geral da ONU, para ser o Diretor de Parcerias Estratégicas no Departamento de Operações de Manutenção da Paz, função que exerceu de 2014 a 2017. Nesse período, trabalhou como Inspetor-Geral de todas as Forças Militares e Policiais da ONU, verificando a atuação e propondo recomendações para melhorar o desempenho das tropas nas 16 Missões de Paz. O general Paul Cruz é especialista em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e concluiu o MBA Executivo e o Curso de Gerência de Projetos da Fundação Getúlio Vargas. Na área de operações de paz, tem diversos cursos de extensão, entre eles o Senior Mission Leader Course.

A relatoria ficou a cargo de Laís Forti Thomaz, professora do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal de Goiás).

Perfil de Laís Forti Thomaz – é professora do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal de Goiás e coordenadora do Núcleo de Estudos Globais (NEG). Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (PPGCP) da UFG, do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais (PPGRI) San Tiago Dantas – Unesp, Unicamp e PUC-SP, no qual obteve os títulos de Doutora e Mestre na área de Instituições, Processos e Atores (linha de pesquisa: Relações Exteriores dos Estados Unidos), com estágio de pesquisa de doutorado na Georgetown University (BEPE/Fapesp) bem como realizou sua Pesquisa de Pós-Doutorado com bolsa Capes e PDJ do CNPq concluída em junho de 2018. Pesquisadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Estudos sobre os Estados Unidos (INCT-INEU) desde 2009 e da Rede de Estudos Agroalimentares (REDAGRI) desde 2018. Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências – campus de Marília. Especialista em Lobbying com formação pelo Public Affairs and Advocacy Institute (PAAI – Washington, DC) e European Public Affairs and Advocacy Institute (EPAAI – Bruxelas) ambos vinculados a American University, e pelo European Summer Institute on the Future of Europe (Praga, República Tcheca). (Universidade Federal de Goiás).

Como moderador desse painel, o professor doutor  da Universidade Católica de Brasília, Creomar de Souza, tecerá seus comentários.

Perfil Creomar de Souza – É professor universitário e Assessor de Relações Institucionais na Universidade Católica de Brasília. É doutorando no Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília. Foi pesquisador do IPEA (2011) no Programa Nacional de Desenvolvimento, trabalhando em projeto de Pesquisa “Relações Brasil – África”. Atuou no CNPq, nos processos de controle e verificação dos recursos utilizados por bolsistas de mestrado e doutorado no país. Tem como objetos de interesse e análise temas relevantes da política brasileira e dos Estados Unidos, com ênfase nos processos de tomada de decisão (Democracia, Grupos de Pressão e Lobby). Foi bolsista do Departamento de Estado do Governo dos Estados Unidos e Visiting Faculty na University of Florida (2009) e observador internacional convidado pela Embaixada dos Estados Unidos no Brasil para acompanhar as eleições presidenciais de 2016.

A moderação será de Laís Forti Thomaz, Professora da Universidade Federal de Goiás.

Perfil de Laís Forti Thomaz – é professora do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal de Goiás e coordenadora do Núcleo de Estudos Globais (NEG). Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (PPGCP) da UFG, do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais (PPGRI) San Tiago Dantas – Unesp, Unicamp e PUC-SP, no qual obteve os títulos de Doutora e Mestre na área de Instituições, Processos e Atores (linha de pesquisa: Relações Exteriores dos Estados Unidos), com estágio de pesquisa de doutorado na Georgetown University (BEPE/Fapesp) bem como realizou sua Pesquisa de Pós-Doutorado com bolsa Capes e PDJ do CNPq concluída em junho de 2018. Pesquisadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Estudos sobre os Estados Unidos (INCT-INEU) desde 2009 e da Rede de Estudos Agroalimentares (REDAGRI) desde 2018. Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências – campus de Marília. Especialista em Lobbying com formação pelo Public Affairs and Advocacy Institute (PAAI – Washington, DC) e European Public Affairs and Advocacy Institute (EPAAI – Bruxelas) ambos vinculados a American University, e pelo European Summer Institute on the Future of Europe (Praga, República Tcheca). (Universidade Federal de Goiás).

O seminário prossegue com a formação da Mesa 2, cujo tema será: “A imagem do Brasil no Exterior: prós e contras de um global player”, que será apresentado pelos jornalistas Lourival Sant’Anna (Revista Veja) – América Latina; Leonardo Coutinho (Revista Crusoé); Patrícia Campos Melo (BandNews) – Oriente Médio; Fábio Zanini (Folha de São Paulo) – África e Denise Chrispim Marin (Revista Veja) – Estados Unidos e Europa.

Os profissionais são especializados na cobertura de temas internacionais, abordarão que, “nos últimos anos o Brasil tem ganhado cada vez mais espaço ma mídia e nas análises internacionais, para o bem ou para o mal, com nossos acertos e nossas mazelas. Em nossas relações internacionais, os interesses nacionais e da geopolítica mundial muitas vezes se chocam. Daí a importância em analisarmos o que a comunidade internacional enxerga no país que poderá ser potência visado em benefício da nossa população”, resumiram.

O painel será comentado pelo jornalista Marcos Magalhães.

Perfil de Lourival Sant’Anna – é jornalista, repórter e analista de assuntos internacionais. Nascido em Goiânia (GO), em 1966, graduou-se em Jornalismo em 1986, pela Universidade Federal de Goiás. Entre 1987 e 1989, completou os créditos de mestrado em Filosofia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e na Universidade de São Paulo, sobre o filósofo alemão Immanuel Kant, mas não defendeu a dissertação.

Fez mestrado em Jornalismo na Universidade de São Paulo entre 2004 e 2007, quando defendeu a dissertação que deu origem ao livro O Destino do Jornal, sobre os três principais jornais do país, Estado, Folha e Globo, na sociedade da informação.

Tem uma coluna dominical no Estadão e faz comentários na Rádio CBN. Nos últimos anos, fez reportagens também para as revistas Exame, Época e Veja, para o Estadão e para as emissoras de TV Bandeirantes, BandNews e SBT.

Fez coberturas em 63 países, incluindo todos os da América do Sul, com exceção da Guiana e da Guiana Francesa, nas Américas do Norte e Central, Europa, África, Oriente Médio e Ásia. É autor de Viagem ao Mundo dos Taleban, (Geração Editorial, 2002) e O Destino do Jornal (Editora Record, 2008).

Perfil Leonardo Coutinho – é jornalista há 20 anos, dezessete deles na revista Veja. Foi correspondente na Amazônia por oito anos, onde começou a investigar as organizações criminosas e as conexões políticas nos países da região. Desde 2011 publicou diversas reportagens sobre a presença de extremistas islâmicos no Brasil, e reincidência do câncer de Hugo Chávez, a prisão dos sobrinhos de Nicolás Maduro por tráfico de cocaína e a conspiração entre Venezuela, Irã e Argentina para contrabandear segredos nucleares.

Perfil de Patrícia Campos Melo – jornalista, trabalha como repórter na Folha de São Paulo; por sua atuação, recebeu em 2016 o Troféu Mulher Imprensa. Foi enviada especial em áreas de conflito, como a Síria e a Serra Leoa.

Veja também:  Educadores participam do 1º Seminário de Gestão Escolar em Canaã

A jornalista ganhou destaque no contexto das eleições presidenciais brasileiras em 2018 ao assinar uma reportagem sobre crimes eleitorais na campanha do candidato Jair Bolsonaro. Ela revelou financiamentos de campanha ilegais em redes sociais realizados por empresários partidários de Bolsonaro.

Perfil de Fábio Zanini – é jornalista formado pela Escola de Comunicações e Artes da USP (ECA-USP), com mestrado em Relações Internacionais pela School of Oriental and African Studies (Soas), da Universidade de Londres. É autor do livro Euforia e Fracasso do Brasil Grande em que busca mostrar o declínio da política externa brasileira a partir de seis exemplos de diplomacia ocorridos entre 2003 e 2010.

Perfil de Denise Chrispim Marin – é jornalista com especialização em Economia e Política Externa com 28 anos de carreira. Foi correspondente de O Estado de S Paulo em Washington (EUA) entre 2010 e 2013 e da Folha de São Paulo em Buenos Aires (Argentina) entre 1995 e 1996. Cobriu Política Externa, Comércio Exterior e Economia como repórter do Estadão, do Valor Econômico e da Folha em Brasília entre 1996 e 2010. Em São Paulo, foi repórter especial do Estadão entre 2013 e 2015. Desde então, escreveu para o jornal argentino Perfil, a revista americana Global Finance e o jornal Washington Times. Atuou ainda como editora-adjunta da Revista Política Externa e como assistente sênior de Informação Pública do ACNUR-Brasil.

Perfil de Marcos Magalhães – é jornalista profissional desde 1982. Trabalhou nas revistas Veja, IstoÉ e Manchete e nos jornais Estado de S. Paulo, Gazeta Mercantil, Jornal do Brasil e Jornal de Brasília. Atualmente trabalha na TV Senado, onde mantém uma coluna sobre temas internacionais e apresenta o programa Cidadania Mundo, de entrevistas sobre temas globais.

Atuará como relator do painel Giovanni Okado, o professor doutor da Universidade Católica de Goiás (UCG).

Perfil de Giovanni Okado – é graduado em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, mestre em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e doutorando em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília. Exerceu o cargo de Assessor Técnico no Gabinete do Ministro de Estado Chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República entre dezembro de 2011 e agosto de 2015. Atualmente, é professor assistente de Relações Internacionais na Pontifícia Universidade Católica de Goiás, membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Segurança Internacional da Universidade de Brasília (GEPSI-UnB) e sócio da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED). É co-autor do livro “Megatendências mundiais 2030: o que entidades e personalidades internacionais pensam sobre o futuro do mundo? Seus interesses de pesquisa estão relacionados com os seguintes temas: segurança internacional, defesa nacional, conflitos armados, geopolítica, política externa, teoria das relações internacionais e cenários prospectivos.

Após o almoço os trabalhos recomeçam com a formação da Mesa 3 que abordará o tema: “A inteligência aplicada à política externa e à defesa: desafios, ameaças e necessidades”.

As exposições ficarão a cargo de André Luis Woloszyn, Analista de Assuntos Estratégicos do Ministério Público Federal; Eduardo de Oliveira Fernandes, Sub-Corregedor da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMSP) e Fernando Montenegro, Pesquisador do Observatório de Relações Internacionais da Universidade Autónoma de Lisboa (OBSERVARE).

Discorrerão que a cultura da informação como elemento fundamental para uma estratégia nacional de desenvolvimento e presença internacional, passa pela massa crítica de uma sociedade que ainda não parece compreender, em toda a sua extensão, a necessidade de uma inteligência de Estado, seja na proteção da nossa infraestrutura crítica, seja na prospecção de oportunidades.

Perfil de André Luis Woloszyn – é Analista de Inteligência e consultor de agências internacionais em matéria de terrorismo e conflitos de baixa e média intensidade. Bacharel em Ciências Militares, área de Defesa Social, Mestre em Direito, Especialista em Ciências Penais, Diplomado em Inteligência Estratégica pela Escola Superior de Guerra, Ex-Analista de Inteligência na Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE).

Perfil de Eduardo de Oliveira Fernandes – Eduardo de Oliveira Fernandes é coronel da Polícia Militar do Estado de São Paulo, atualmente exercendo a função de Subcorregedor. Bacharel, Mestre e Doutor em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública pelo Centro de Altos Estudos em Segurança (CAES); em Direito, Diplomado no Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia e no Curso Superior de Defesa pela Escola Superior de Guerra, em Ciências Sociais pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, em Combate ao Terrorismo doméstico e transnacional, pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos; em Relações Internacionais e em Gestão Contemporânea de Segurança Pública e Justiça Criminal, pela Universidade de São Paulo (USP); professor de Ciência Política, Políticas Públicas da Academia de Polícia Militar do Barro Branco. Autor do Livro “As ações terroristas do crime organizado”, e em parceria com André Luís Woloszyn, do Livro “Terrorismo – Complexidades, Reflexões, Legislação e Direitos Humanos”, Juruá, 2017. É também autor de diversos artigos sobre segurança, criminalidade e terrorismo e Coordenador do Núcleo Brasil de Segurança Pública da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo.

Perfil de Fernando Montenegro – é doutorando em Relações Internacionais na Universidade Autônoma de Lisboa, professor da Pós-Graduação em Gestão e Direção de Segurança da Autônoma Academy e pesquisador do OBSERVARE (Observatório de Relações Internacionais da Universidade Autônoma de Lisboa). É operador de Forças Especiais do Exército, comandou a ocupação e pacificação do Complexo do Alemão e foi Instrutor Chefe do Centro de Instrução de Guerra na Selva, responsável pelo Curso de Guerra na Selva e pela condução de treinamentos para os SEAL, Special Forces, Legião Estrangeira e outras tropas de elite. Doutorando em Relações Internacionais na Universidade Autônoma de Lisboa, Mestre em Ciências, Curso de Comando e Estado Maior do Exército.

A moderação comentário do Painel será de Selma Gonzales, Coordenadora e professora doutora na Escola Superior de Guerra (ESG).

Perfil de Selma Gonzales – é Doutora em Geografia Humana (Política) pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em Gestão do Espaço Regional pela Universidade de Brasília (UnB), especialista em Ensino de Geografia e graduada em Geografia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Possui o curso de Aperfeiçoamento em Conhecimentos Militares e especialização em Aplicações Complementares às Ciências Militares. Foi instrutora e coordenadora da área de magistério no Curso de Formação de Oficiais na Escola de Formação Complementar do Exército, no período de 2005 a 2009, assessora de ensino no Colégio Militar de Brasília de 2010 a 2013, analista e atuou no monitoramento de eventos para elaboração de cenários prospectivos, além de coordenadora do Núcleo de Estudos Prospectivos do Centro de Estudos Estratégicos do Exército. Atualmente é coordenadora de disciplinas e professora na Escola Superior de Guerra e exerce a função de professora visitante e pesquisadora nos programas de pesquisa e pós-graduação do Instituto Meira Mattos da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, na área de estudos da paz e da guerra.

A relatoria fica a cargo de Anna Gabriela Ribeiro, estudante de Relações Internacionais do Centro Universitário de Brasília (UniCEUB).

Perfil de Anna Gabriela Ribeiro – é estudante de Relações Internacionais, com estágio no Itamaraty, na Divisão do Chile, Peru e Equador. Realizou intercâmbio de 6 meses no Uruguai, na Universidad de la República. Ao retornar, trabalhou com consultoria em Políticas Públicas, onde teve a oportunidade de trabalhar com RelGov.

Na Mesa 4 será desenvolvido o tema: “A articulação política entre Diplomacia e Defesa, e seus dilemas”, com exposição de Antonio Jorge Ramalho, Diretor-Executivo da Escola Sul-Americana de Defesa; Mônica Hirst, do Centro de Estudos Brasileiros de Buenos Aires; Alcides Costa Vaz, Presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e Salvador Raza, Prof. Dr. do Instituto de Estudos e Pesquisas em Tecnologia, Relações Internacionais e Segurança (CeTRIS), sob a ótica que: “Nenhum Estado pode ser pacífico sem ser forte”, já dizia o Barão do Rio Branco. E o Brasil, seja no seu entorno geográfico, seja globalmente, tem, literalmente, tamanho e idade para influenciar nas decisões que tornem a segurança internacional algo perene e estável. Onde o país seja protagonista e tenha a sua voz ouvida.

Perfil de Antonio Jorge Ramalho – é Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (1989), mestre em Ciência Política pelo IUPERJ (1992) e em Relações Internacionais pela Maxwell School of Citizenship and Public Affairs – Syracuse University (1999) e doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (2002). É professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília desde 1993. Dirigiu o Departamento de Cooperação do ministério da Defesa e o Centro de Estudos Brasileiros em Porto Príncipe, Haiti e integrou a Assessoria de Defesa da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Assessorou o ministro da Defesa na implantação do Instituto Pandiá Calógeras, do qual foi o primeiro diretor. Atualmente, dirige a Escola Sul-Americana de Defesa da UNASUL, baseada em Quito, e integra o corpo de professores responsáveis por implantar o Mestrado em Segurança Internacional e Defesa da Escola Superior de Guerra do Brasil.

Perfil de Mônica Hirst – tem extensa trajetória na área de Relações Internacionais no Brasil e na América Latina. Doutora em Estudos Estratégicos Internacionais, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Profesora de relaciones internacionales de la Universidad Torcuato Di Tella (UTDT) y Coordinadora de la especialización en Seguridad Internacional de la Maes tría en Estudios Internacionales de la UTDT. Doutora em  Estudos Estratégicos Internacionais por la Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul y. Master en Ciencia Política por el Instituto Universitario de Pesquisas de Río de Janeiro (IUPERJ). Fue Directora Ejecutiva de la Fundación Centro de Estudos Brasileiros en la Argentina (1996-2006).  Fue investigadora principal de FLACSO-Argentina (1985-2000), profesora invitada en las universidades de Stanford (1992) y Harvard (2000) y enseñó en el Instituto de Servicio Exterior (1996-2008). Realiza la coordinación conjunta del Programa de Apoyo a Proyectos IBSA en IUPERJ. Es autora de diversos libros y artículos sobre las relaciones internacionales de América Latina, la política exterior de Brasil, la integración regional y cuestiones de seguridad internacional. Realiza consultorías para la Fundación Ford, CAF y PNUD. Coordino el proyecto “Crisis del Estado, Gobernabilidad Internacional y Seguridad” (Fundación Ford- Social Science Research Council). Entre sus libros se destacan: The United States and Brazil, series Contemporary Inter-American Relations, Routledge Taylor & Francis Group, Inc., 2004; Democracia, seguridad e integración. América Latina en un mundo en transición, Buenos Aires, Norma, 1996; Crisis del Estado e Intervención Internacional, Buenos Aires, Edhasa, 2009.

Perfil de Alcides Costa Vaz – é graduado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (1982), onde também concluiu o mestrado em Relações Internacionais em 1987. Tem doutorado em Sociologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (2001). Atualmente é professor do Instituto de Relações Internacionais da UnB, presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e pesquisador do Centro de Estudos Estratégicos do Exército Brasileiro (CEEEX). Possui experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Integração Internacional, Conflito, Guerra e Paz, atuando principalmente nas questões de política internacional contemporânea, segurança internacional e regional, defesa nacional, economia política internacional, integração regional, além da evolução da política externa e inserção internacional brasileira.

Perfil de Salvador Raza – é pós-doutor na área de simulações e projeto de força nos Estados Unidos. Doutor em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ, na área de Estudos Estratégicos. Mestre em Defense Studies pelo King’s College da Universidade de Londres. Formação em Planejamento Estratégico e Altos Estudos de Defesa no Brasil e Inglaterra. Consultor internacional na área de simulações e planejamento estratégico para diversos países. Professor Adjunto da National Security Affairs no Centro Hemisférico de Estudos de Defesa da Universidade de Defesa dos Estados Unidos em Washington.

A Mesa será moderada por Juliano Cortinhas, Prof. Dr. do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (IRELUnB).

Perfil de Juliano Cortinhas – é professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília – IREL/UnB. Possui doutorado em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (2012), mestrado em Relações Internacionais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005) e graduação em Direito pela Universidade Federal do Paraná (2001). Foi Chefe de Gabinete do Instituto Pandiá Calógeras, no Ministério da Defesa, entre 2013 e 2016. Atuou como assessor da Assessoria de Defesa da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República entre 2012 e 2013. Foi professor visitante no departamento de Political Science and International Relations da University of Delaware (EUA) e em cursos de pós-graduação lato sensu no Brasil. Foi professor de cursos de Relações Internacionais em diversas instituições brasileiras e coordenador de Relações Internacionais no Centro Universitário Curitiba de fevereiro de 2010 a julho de 2012. Atua na área de Relações Internacionais, nos seguintes temas: teoria de relações internacionais, processo decisório em política externa, segurança e defesa, política externa brasileira e política externa estadunidense. Possui diversos artigos e capítulos de livros publicados em português, inglês e espanhol.

A relatoria ficou a cargo de Talita de Almeida, Assessora Técnica da Seção de Operações Complementares do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

Perfil de Talita de Almeida – é bacharel em Ciência Política pela Universidade de Brasília (2014) e possui o Curso Superior de Política e Estratégia pela Escola Superior de Guerra (2017). Atualmente, é Mestranda em Economia também pela Universidade de Brasília. Atua no Executivo Federal, no Ministério da Defesa, desde 2013. Possui experiência em pesquisa nas áreas de defesa nacional, economia de defesa, segurança internacional, entorno estratégico, democracia e desigualdades.

Encerramento

O Deputado Nilson Pinto, Presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara dos Deputados, e vice-presidente da Comissão Mista de Controle de Atividades de Inteligência do Congresso Nacional (CCAI) encerrará o evento, com a presença do Representante do governo eleito em outubro.

Serviço:

Seminário: “Política Externa, Defesa e Inteligência na projeção internacional do Brasil”

Local: Câmara dos Deputados – Auditório Nereu Ramos

Início: 21/11/2018 às 09h00

Término: 21/11/2018 às 18h00

Por Val-André Mutran – Correspondente em Brasília

Deixe uma resposta