Category Archives: Hospital Municipal de Parauapebas

Hospital Geral de Parauapebas está em funcionamento e implantando todos os procedimentos constantes do contrato do GAMP com a prefeitura de Parauapebas.

Com menos de três meses de funcionamento o HGP já implantou a Maternidade que está funcionando normalmente. O Mutirão da Mamografia caminha para zerar a fila de mais de mil pacientes. UTI em operação e o serviço de Hemodiálise em fase final de montagem para entrar em operação no início de outubro, acabando com o sofrimento de dezenas de paciente que hoje tem que se deslocar para cidades vizinhas em cansativas viagens de ônibus para receber o tratamento. Tudo em conformidade com o previsto no contrato de gestão firmado entre o GAMP e a Secretaria de Saúde da prefeitura de Parauapebas.

Em resposta à nota publicada pelo Sindicato dos Médicos do Pará e para a reposição da verdade,o diretor técnico Dr Gilberto Alves Pontes Belo, informa à comunidade, que:

  • 1) Os médicos não foram demitidos porque nenhum deles tinha fechado contrato com o GAMP. Não aceitaram a condição de fazer plantões presenciais(quando o médico fica no hospital durante o seu horário de trabalho). Queriam ficar apenas de sobreaviso (ficariam em casa e só iriam ao hospital se fossem chamados);
  • 2) O paciente citado foi lesionado por arma de fogo , sendo prontamente atendido pela equipe de plantão, dois médicos-cirurgiões acompanharam a intercorrência. Dois cirurgiões ficam de plantão 24 horas por dia, nos 30 dias do mês;
  • 3) A UTI foi aberta antes do previsto devido a alta demanda de pacientes em estado crítico necessitando de tratamento intensivo. A equipe foi prontamente mobilizada e já se encontra com médicos 24 horas. Enquanto não se completava a equipe, o próprio diretor técnico do GAMP deu o suporte necessário para os pacientes;
  • 4) A UTI não tem problemas estruturais, mas há questões burocráticas a serem atendidas, como o protocolo de abertura, alvarás e certidões, porém a vida humana vale mais que tudo isso e a urgência de casos que possuem risco de óbito, suplanta a burocracia e foi dada prioridade à vida das pessoas.

Assessoria de Imprensa do GAMP

Inaugurado o Hospital Regional de Parauapebas

Na sexta-feira, 01, foi inaugurado o Hospital Geral de Parauapebas. Dia de festa para a administração Valmir Queiroz Mariano. Dia de festa para os usuários da saúde pública municipal.

HGP

O Hospital Geral de Parauapebas recebeu o nome do querido e saudoso amigo Evaldo Benevides Alves. Evaldo, além de pioneiro, foi militante incansável das causas por Parauapebas. Merecida homenagem! Evaldo passa para história de Parauapebas definitivamente e seus feitos, sejam eles na vida pública ou privada, agora jamais serão esquecidos. A família Benevides Alves compareceu em peso ao evento e certamente hoje deve estar feliz pelo reconhecimento dado pela atual administração a um de seus membros mais ilustres.

O hospital ficou lindo. A população compareceu em peso ao evento inaugural e constatou que a obra recebeu o que há de melhor em estrutura e acabamento, como já pode ser visto nas obras entregues pela administração Valmir Queiroz Mariano. A Assessoria de imprensa divulgou um cronograma de funcionamento do novo hospital. Por ele, soube-se que haverá um período de visitas orientadas para associações e entidades e depois higienização para o início dos trabalhos. Até o dia 02 de outubro todos os serviços oferecidos no HGP Evaldo Benevides Alves estarão disponíveis à população, afirma o documento

No palanque várias autoridades políticas discursaram e enalteceram o fato do prefeito Valmir ter concluído a obra. Ele próprio disse ter passado por momentos de desânimo e que até pensou em desistir de concluí-la. Menos mal que não parou e agora a população terá um local digno para a realização dos procedimentos médicos hospitalares.

Fui contra a construção desse hospital desde o início. Cheguei a escrever aqui no Blog sobre isso. Achava à época que o dinheiro investido nele poderia ser usado para a construção de pelo menos 10 postos de saúde nos bairros, totalmente equipados com Raio-X, laboratório e semi-UTIs. Cheguei a falar com o então prefeito Darci Lermen sobre isso. Mas, o 3 pátrias tinha a construção do hospital como carro-chefe de seu governo. Deu no que deu, um rio de dinheiro gasto, dezenas de aditivos e pouco mais de 30% da obra concluída por sua administração.

Veio a eleição, e como não podia deixar de ser, a obra recebeu atenção especial dos candidatos que faziam oposição ao candidato de Darci. Era impossível não citar com desdém a inércia ou morosidade em relação a ela.

Valmir Mariano é eleito e, claro, com compromisso de concluí-la, foi buscar se atualizar sobre a obra. Segundo ele, entre outras, o projeto estava equivocado, a estrutura precisava ser modificada… Mas já tinham sido colocados ali vários milhões de Reais do contribuinte e era preciso concluí-la. No final, com apoio inegável do Ministério Público a obra está finalmente entregue.

Esta será uma daquelas obras que terá alguns pais. Os aliados do anacoreta Darci Lermen, de volta ao município e em plena campanha eleitoral, já reivindica para o grupo a obra do HRP sob a alegação de que Valmir a recebeu 75% pronta. Já os defensores do atual prefeito dizem que ela estava apenas com 30%.

A saúde em Parauapebas, assim como em todo Brasil, passa por dificuldades. Valmir Mariano elegeu a educação e a saúde como carro chefe de sua gestão. Na área da saúde, apesar de ainda não ter conseguido adequá-la como necessário no que tange ao atendimento ao cidadão, compensou com a construção da UPA, reformando e ampliando o Pronto Socorro Municipal, implantando o SAMU, ampliando e reformando ou construindo as Unidades de Saúde da Família dos bairros Liberdade I, Vilinha, Altamira,  Guanabara,  Casas Populares II, Jardim Canadá, Minérios, Palmares I e II, Cedere I, Da Paz, Tropical, Novo Brasil, implantando o Centro de Imunobiológicos e o Centro de Especialidades Integradas.

O Hospital

Distribuído em cinco pavimentos, os serviços oferecidos no HGP serão: maternidade; cirurgias eletivas e de urgência; hemodiálise; UTI. A capacidade total é de 212 leitos. No terceiro piso fica a enfermaria da clínica médica com 50 leitos, sendo cinco deles destinados para pacientes psicossociais.

No segundo piso fica a enfermaria pediátrica e a clínica cirúrgica, totalizando 50 leitos. O setor administrativo do HGP, o Centro de Hemodiálise, que contará com 10 leitos, o Banco de Leite e o Laboratório ficam no primeiro piso. No térreo fica localizado a recepção geral do HGP, o Centro Obstétrico, Centro Cirúrgico, UCI Neo-natal, UTI Adulto, Pediátrico e Neo-natal. Ala de Imagens, estruturada com aparelhos de última geração para realização de Raio-X, Ultrassonografia e Endoscopia, também está montada no térreo.

Centro Obstétrico conta com 50 leitos e é composto por cinco salas de Pré-parto, Parto e Pós-parto (PPP), que possibilitará a presença do acompanhante e as condições adequadas para o desenvolvimento do parto humanizado. Além disso, o centro contará com duas salas cirúrgicas, sala de curetagem e sala para cuidados com os recém-nascidos.

O Centro Cirúrgico é composto por três salas cirúrgicas para atendimentos de cirurgias eletivas ou de urgência, sendo uma destinada para cirurgias de alta complexidade e as outras duas para média complexidade.

A UTI Neo-natal está totalmente equipada com aparelhos de última geração e disponibiliza de cinco berços para internação e mais dois exclusivos para o isolamento, já a UCI Neo-natal contará com 10 leitos e a UTI infantil disponibilizará cinco, enquanto na UTI de adulto serão 10 leitos.

No subsolo fica a entrada de emergência de trauma onde serão disponibilizados 10 leitos de observação. Os setores de almoxarifado do hospital, cozinha, nutrição, lavanderia e central de esterilização também ficam neste pavimento.

Sespa apresenta em Canaã proposta de consórcio para administração do Hospital Regional de Parauapebas

A diretoria da regional da Secretaria Estadual de Saúde de Marabá esteve em Canaã dos Carajás, na manhã desta terça-feira (3), para apresentar à equipe da prefeitura, vereadores, e ao Conselho Municipal de Saúde a proposta de criação de um Consórcio Interfederativo para a administração do Hospital Regional de Parauapebas, que será entregue nos próximos meses.

REUNIÃO-HOSPITAL

Segundo a proposta, a unidade deve se centrar em atendimentos de média e grande complexidade, atendendo a um grande gargalo da região. O governo do Estado assumirá a responsabilidade por 51% do financiamento, ficando os 49% restantes a cargo da União (20%) e dos municípios da região (29%). Além de Parauapebas e Canaã, a intenção é que os municípios de Eldorado dos Carajás e Curionópolis também participem da gestão. As prefeituras poderão indicar quais são as principais necessidades de atendimento e financiar esses serviços, seguindo essa proporção.

A proposta será estudada pela administração, em conjunto com a Câmara e o Conselho de Saúde. No entanto, durante a reunião, o prefeito Jeová Andrade destacou que o modelo de consórcio tem se mostrado uma saída para a falta de recursos na administração pública. “Municípios Brasil afora tem feito isso e pode ser um caminho”, disse. “Temos vontade e interesse em seguir com essa discussão”, completou Jeová.

O prefeito também lamentou o fato de que pacientes de Canaã precisam se deslocar até Marabá, ou Belém, em busca de serviços de complexidade média ou alta, como a hemodiálise, por exemplo.

Segundo o diretor regional da Sespa em Marabá, Geraldo Pereira Barroso, a criação do Hospital Regional de Parauapebas vai de encontro a uma política do governo estadual de “colocar o atendimento mais próximo do usuário”.

Também estiveram presentes ao encontro o secretário municipal de Saúde, Dinilson José dos Santos, os vereadores Dionízio Coutinho, Hélio Ferreira e João Batista, profissionais da saúde municipal e membros do Conselho Municipal de Saúde.

Contratos de limpeza do Hospital Municipal sofrem aditivos de mais de R$ 5 milhões

A Prefeitura de Parauapebas publicou dois termos aditivos a contratos referentes à higienização e limpeza do Hospital Municipal Dr. Teófilo Soares de Almeida Filho. Juntos, os aditivos somam a quantia de R$ 5.157.219,12 (Cinco milhões, cento e cinquenta e sete mil, duzentos e dezenove mil reais e dois centavos). As empresas contratadas são a M.A.M. Muniz & Cia LTDA-ME e LG Serviços e locações LTDA-ME.

O primeiro contrato, com valor inicial de R$ 1.382.400,00 (um milhão trezentos e oitenta e dois mil, quatrocentos reais), teve sua vigência encerrada em 30 de janeiro deste ano. Com o aditivo de igual valor, o contrato passa a vigorar até 30 de janeiro de 2017.

Já o segundo, tem valor inicial de R$ 3.774.819,12 (três milhões, setecentos e setenta e quatro mil, oitocentos e dezenove reais e doze centavos), e vigoraria até 25 de fevereiro. Após o aditivo, também de igual valor, a LG Serviços e locações LTDA-ME permanece contratada até 25 de fevereiro de 2017.

O objeto dos contratos é o mesmo: prestação de serviços contínuos de higienização e limpeza hospitalar nas áreas do hospital, com fornecimento de mão de obra especializada e todos os insumos necessários para execução plena e satisfatória do serviço, bem como dos acessórios e equipamentos para higienização e limpeza do Hospital Municipal de Parauapebas.

Os aditivos foram assinados no início de janeiro e publicados no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira, 5.

Termo aditivo

É um instrumento utilizado no meio jurídico onde constam as modificações realizadas em uma contratação anterior. Por meio do termo aditivo, verificam-se as alterações efetuadas no contrato, como inserção de cláusulas, modificação de prazos, valores, entre outros.

HMPPor falar em aditivo contratual, as obras do novo Hospital Municipal de Parauapebas, cuja a pedra fundamental foi lançada em 2007, durante a gestão do petista Darci Lermen, já receberam nove aditivos contratuais, sendo sete na gestão de Darci e dois na atual gestão. Com a promessa de ser entregue ainda no primeiro semestre de 2016, o novo HMP, quando concluído, terá recebido investimentos na ordem de R$100 milhões.

Parauapebas: aprovada habilitação de 10 leitos de UCIN no HMP

A Comissão Intergestores Bipartite do Sistema Único de Saúde do Pará (CIBSUS-PA ) aprovou a habilitação junto ao SUS de 10 leitos de UCIN (Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal) do Hospital Municipal Dr. Teófilo Soares de Almeida Filho. A aprovação ocorreu após a verificação dos requisitos do Ministério da Saúde para a organização integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente grave.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) encaminhou toda a documentação necessária à CIBSUS-PA na última quinta-feira, 24, após uma análise favorável do pedido de habilitação. Para a aprovação, a comissão também levou em consideração a I Etapa do Plano de Ação da Rede Cegonha do Estado do Pará, que já conta com recursos financeiros alocados para a sua implementação.

A Resolução nº 158, de 26 de novembro de 2015, que aprova a habilitação foi publicada nesta terça-feira, 1º de dezembro no Diário Oficial do Estado.

UCIN

As UCIN, também conhecidas como Unidades Semi-Intensivas, são serviços em unidades hospitalares destinados ao atendimento de recém-nascidos considerados de médio risco e que demandem assistência contínua.

Rede Cegonha

É uma estratégia do Ministério da Saúde que visa implementar uma rede de cuidados para assegurar às mulheres o direito ao planejamento reprodutivo e a atenção humanizada à gravidez, ao parto e ao pós-parto, bem como assegurar às crianças o direito ao nascimento seguro e ao crescimento e desenvolvimento saudáveis.

Objetivos:
• Implementar um novo modelo de atenção ao parto, nascimento e à saúde da criança.

• Ser uma rede de atenção que garanta acesso, acolhimento e resolutividade.

• Reduzir aa mortalidade materna e neonatal.

Diretrizes da Rede Cegonha:

  1. Garantia do acolhimento com classificação de risco, ampliação do acesso e melhoria da qualidade do PRÉ-NATAL.
  2. Garantia de vinculação da gestante à unidade de referência e ao transporte seguro.
  3. Garantia das boas práticas e segurança na atenção ao Parto e nascimento.
  4. Garantia da atenção à saúde das crianças de 0 a 24 meses com qualidade e resolutividade.
  5. Garantia da ampliação do acesso ao planejamento produtivo.

Prefeito Valmir Mariano apresenta avanços na obra do novo hospital

A obra do novo hospital deve ser concluída até o final do ano, a informação foi passada pelo prefeito Valmir Mariano durante uma visita realizada nesta sexta-feira (23) às instalações do novo estabelecimento de saúde. Representantes do governo estadual, vereadores, secretários de saúde de municípios vizinhos, conselho municipal de saúde, diretores e coordenadores da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) e imprensa tiveram a oportunidade, durante a visita, de comprovar o avanço das obras.

IMGS0487. [downloaded with 1stBrowser]

“Estou trabalhando diuturnamente aqui com minha equipe, estamos aproveitando os andares liberados pela secretaria de obras para realizar a instalação de alguns equipamentos, como é o caso da hemodiálise. Já temos cerca de 70% dos equipamentos comprados. Estou muito satisfeito em poder apresentar para a nossa população o fruto do nosso trabalho”, disse Valmir Mariano. 

No início da gestão atual, o hospital foi recebido com cerca de 40% da obra feita, desde então, foi necessário realizar novos aditivos ao contrato para viabilizar a continuidade dos trabalhos, tudo amparo e justificado junto ao Ministério Público por meio de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC).

IMGS0391. [downloaded with 1stBrowser]Sobre o modelo de gestão do novo hospital foi anunciado que o município está em conversa com o governo estadual para avaliar a proposta de consórcio intermunicipal, envolvendo Parauapebas, Canaã dos Carajás, Eldorado dos Carajás e Curionópolis, dessa forma, o alto custo de manutenção não fica apenas na responsabilidade do município sede.

“A proposta é o que os serviços sejam regionalizados, mas a gestão será nossa. Nesse contexto a manutenção do hospital será custeada da seguinte forma: 40% de recursos do governo estadual, 30% dos municípios pactuados no consórcio e 30% da produção de atendimento do SUS”, disse o titular da Semsa, João Luiz Ribeiro.

“A estrutura desse hospital é a mais ampla da nossa região, pois conta com um número de leitos maior, inclusive, que o regional de Marabá. Sem dúvidas vai ser um marco para a melhoria da saúde pública de Parauapebas e região”, destacou Geraldo Barroso, diretor da 11º regional da Secretaria Estadual de Saúde do Pará (Sespa).

Estrutura e serviços do hospital

Os serviços do novo hospital são classificados em média e alta complexidade e a entrada dos pacientes deverá ser feita a partir do processo de regulação. O prédio conta com cinco pisos, incluindo o subsolo, nesta estrutura serão disponibilizados 152 leitos, sendo que em todas as alas haverá leitos de isolamento.

IMGS0591. [downloaded with 1stBrowser]

O novo hospital conta com estrutura para os seguintes atendimentos: tratamento de hemodiálise, com dez máquinas; UTI Adulto, Pediátrico e Neo-Natal; salas de Pré-Parto, Parto e Puerpério (PPP); Centro Cirúrgico, sendo um de grande porte e dois de médio; ala de atendimento de urgência e emergência. A cozinha e a lavanderia já estão todas equipadas, assim como a casa de máquinas e o necrotério, estruturas construídas na área externa.

Texto: Karine Gomes – Fotos: Anderson Souza

Pacientes elogiam atendimento recebido no hospital municipal de Parauapebas

Apesar da grande demanda recebida no hospital municipal, superando em algumas ocasiões a capacidade de atendimento, pacientes que necessitam dos serviços de saúde disponíveis na unidade elogiam o tratamento recebido pela equipe. “A médica que me acompanha na enfermaria passa todos os dias aqui e as enfermeiras fazem, nos horários certinhos, os curativos e me dão os remédios. Estou me sentindo bem cuidada”, elogia a dona de casa Antônia Terezinha César, que também já foi avaliada pelo cirurgião geral e aguarda o retorno do especialista.

Vela Preta“Eu machuquei meu pé esquerdo e por causa da diabetes a situação se complicou, vim ao hospital municipal e precisei ficar internado 11 dias. Aqui, a médica trabalhou no controle da diabete, que estava muito elevada, e ao mesmo tempo tratou da ferida. Fiquei muito satisfeito com o atendimento e feliz em ver praticamente todos os profissionais se preocupando com a saúde dos pacientes”, disse o repórter Ronaldo Modesto Pereira, mas conhecido como Vela Preta.

A alimentação fornecida no Hospital Municipal Teófilo Soares de Almeida Filho (HMTSAF) também entrou na avaliação dos pacientes. “Acho que a alimentação servida aqui no hospital me ajudou a melhorar a questão do diabetes, eu segui uma dieta elaborada pelos nutricionistas daqui”, informou Ronaldo Modesto.

Atendimento e Estrutura do Hospital Municipal

De acordo com João Fellipe Borges Bento, coordenador do pronto socorro do municipal, algumas mudanças foram implementadas e contribuíram para a melhoria do atendimento. “Hoje temos cinco médicos plantonistas, trabalhando das 7 às 19 horas, e no horário que compreendo o restante do período, três. Além deles, contamos também com dois cardiologistas e uma clínica geral, para suporte e acompanhamento dos pacientes da enfermaria”, explica João Fellipe.

MedicosAlém disso, a equipe médica conta também com o apoio de especialistas, 24 horas por dia, em três áreas: ginecologia, pediatria e ortopedia. “Os especialistas são acionados quando os médicos de plantão avaliam a necessidade de apoio deles”, informa o coordenador do pronto socorro, acrescentando também que outros quatro especialistas, em cirurgia geral, atuam no municipal.

O diretor geral do municipal, o ginecologista Jean Peterson, reforça que a gestão está comprometida em desenvolver cada vez melhor um trabalho de qualidade, e acrescenta também que uma das principais dificuldades encontradas no pronto socorro está relacionada ao grande número de atendimento, inclusive de pacientes de outras cidades, além da falta de esclarecimentos dos usuários com relação aos critérios de acolhimento com classificação de risco.

“O ministério da saúde estabelece o acolhimento com classificação de risco. Uma criança de um mês, por exemplo, que chega com febre muito alta, tem prioridade”, informa o diretor do hospital, esclarecendo também que cada tipo de atendimento é identificado por uma cor, sendo o vermelho o de casos de emergência, que necessitam de atendimento imediato, o amarelo, casos muito urgentes, o verde indica pacientes que podem aguardar um pouco mais e o azul aqueles que devem ser direcionados para a unidade de saúde.

Texto: Karine Gomes – Fotos Irisvelton Silva

Representantes do Governo do Estado vistoriam instalações do novo Hospital de Parauapebas

_MG_5689

Uma equipe de técnicos e gestores da Secretaria Estadual de Saúde (Sespa) juntamente com representantes da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) visitaram as instalações do prédio do novo hospital de Parauapebas na última semana. A vistoria técnica tem a finalidade de acompanhar o andamento das obras para dar prosseguimento ao processo de regionalização.

O hospital construído pela de Parauapebas será o novo Hospital Regional do Sul e Sudeste do Pará. O Termo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura e o Governo do Estado já foi assinado e publicado no diário oficial. A estrutura conta 155 leitos de internação, 09 leitos de isolamento, 10 leitos de UTI Adulto, 5 leitos de UTI Pediátrico, 7 leitos de UTI Neo Natal.

Para a diretora estadual do Departamento de Desenvolvimento da Rede de Assistência de Média e Alta Complexidade, Conceição Oliveira, a obra segue evoluindo. “Já temos andar com 80% de obra concluída. Estamos inspecionando para tudo seja dentro dos padrões”, declarou a diretora.

A obra será entregue pela Secretaria Municipal de Obras (Semob) à Semsa para instalação dos equipamentos por andar. Os serviços do terceiro andar estão quase concluídos. Segundo o Secretário Adjunto de Saúde, Raimundo Henrique, parte dos equipamentos já foi comprada, outros já estão em licitação e a entrega do hospital está prevista para o primeiro semestre de 2015.

Fonte : Semsa

 

Parauapebas: MP, Município e empresa celebram TAC para conclusão das obras do Hospital Municipal.

O Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), por meio do procurador de Justiça Nelson Pereira Medrado e a promotora de Justiça Crystina Michiko Taketa Morikawa, celebrou, na última segunda-feira, 21, com o Município de Parauapebas, representado pelo prefeito Valmir Queiroz Mariano, e a empresa Decol Engenharia e Comércio Ltda, representado por João Lauro Araújo Tavares, Termo de Ajuste de Conduta (TAC) para que sejam concluídas as obras do Hospital Municipal de Parauapebas (HMP), cujo início remonta o ano de 2008 e não foram finalizadas até hoje, devido às várias alterações do projeto, o que está prejudicando a sociedade local que necessita do atendimento do SUS.

imageAtualmente a população da cidade está sendo atendida de forma precária no único hospital municipal em funcionamento, já que as obras do HMP se arrastam há cinco anos, com constantes investimentos sem que a sociedade receba em contrapartida o atendimento digno de saúde.

Há ainda a necessidade de regionalizar os serviços do HMP para que o atendimento da população se faça da melhor maneira possível. De acordo com os representantes do MPPA “é possível realizar alterações (quantitativas e qualitativas) no contrato administrativo, para melhor adequação técnica aos objetivos contratados, em razão de fatos não previstos ou imprevisíveis por ocasião do pacto inicial”.

Porém, para que o novo hospital municipal venha a estar apto a receber a demanda de um hospital regional, se fazem necessárias novas adequações no contrato, que resultarão em um acréscimo de cerca de R$ 9.754.218,35 no valor e uma prorrogação do prazo de entrega de mais 180 dias.

Após concluído, o Hospital Municipal deverá realizar atendimentos materno-infantil, hemodiálise e urgência em trauma de usuários do Sistema único de Saúde (SUS), não apenas a população de Parauapebas, mas também dos municípios próximos como Canaã dos Carajás, Curionópolis e Eldorado dos Carajás.

Entenda o caso

Em 2008 foi contratada a empresa Multisul Engenharia Ltda para realizar as obras do Hospital Municipal de Parauapebas com valor de R$ 8.683.139,35, no prazo de 12 meses, porém, em razão da necessidade de se realizar adequações ao projeto inicial e alterações na execução do projeto, as obras foram paralisadas. Posteriormente, em janeiro de 2011, a Prefeitura contratou a empresa Decol Engenharia e Comércio Ltda, no valor de R$ 25.235.644,38, para realizar a execução do projeto de conclusão e ampliação do novo HMP, empresa esta que está hoje na execução das obras.

image

O projeto já foi alterado sete vezes, o que exige prorrogação do prazo de execução e aumento quantitativo nos valores da obra. Até o nono termo aditivo, a obra já alcançava o montante de R$ 39.004.892,93, dos quais aproximadamente 12 milhões referem-se às adequações do projeto inicial.

A preocupação maior do MPPA é a de que “o recebimento da obra nos termos em que está contratada poderá impossibilitar o início imediato do atendimento ao público dessa futura unidade de saúde, posto que demandará a realização de novo procedimento licitatório para a contratação de outra empresa para as adequações que se fazem necessárias para o funcionamento do hospital”, ressaltam os representantes do Ministério Público.
Dos termos

Assim, foi firmado no TAC que, no prazo de 30 dias, o município de Parauapebas deverá elaborar projeto com as alterações recomendadas pelo Governo do Pará e encaminhá-lo à Decol para elaboração de proposta financeira e ao MPPA, bem como deve comprovar e reservar os recursos orçamentários e financeiros necessários para pagamento dos serviços executados.

Deve ainda realizar consulta ao Tribunal de Contas do Município (TCM/PA) sobre a viabilidade financeira do adiamento contratual pretendido, assim como da adequação da proposta de adiamento contratual com a empresa Decol, verificando a legalidade deste adiamento.

Solicita ainda que o Município encaminhe ao MPPA cópia do projeto originário e demais alterações realizadas ao longo da execução da obra, assim como informações sobre a execução dos contratos firmados anteriormente. Pede também que sejam enviadas informações atualizadas sobre o número de habitantes e a prestação dos serviços públicos de saúde do município, como número de hospitais, leitos disponíveis, principais atendimentos e números de pacientes atendidos para o serviço de hemodiálise, maternidade e traumatologia.

Deve ainda apresentar ao MPPA relação de todos os equipamentos adquiridos para suprir o novo hospital municipal, com indicação do local onde estão armazenados e o estado em que se encontram.

No prazo de 30 dias, a empresa Decol Engenharia deve demonstrar sua regularidade fiscal e financeira ao MPPA; apresentar proposta financeira para a finalização do projeto e execução de obras do HMP e expor relatórios de todos os serviços já realizados e a data da aquisição dos equipamentos previstos no contrato firmado.

Por fim, no prazo de 180 dias a partir da assinatura do termo aditivo, a Decol deverá entregar a obra devidamente concluída.

Caso as obras não sejam concluídas no período firmado, o Município deverá notificar a Decol e determinar a instauração de procedimento para apuração de responsabilidade pela inexecução do contrato.

Veja AQUI o TAC na íntegra.

Equipamentos de alta tecnologia são instalados no HMP

Depois de adquirir modernos aparelhos de ultrassonografia, a prefeitura equipa o centro cirúrgico do Hospital Municipal de Parauapebas (HMP) com equipamentos modernos e dotados de alta tecnologia. Arco cirúrgico, cardiotocógrafos, monitores multiparâmetros, respiradores, desfibriladores e bisturi elétrico vão contribuir para maior eficiência dos procedimentos médicos.

image_preview

Nesta quarta-feira (16), acompanhado do secretário de municipal de Saúde, Rômulo Maia, da secretária adjunta, Carine Neves e da diretoria do HPM, o prefeito Valmir Mariano vistoriou o funcionamento dos novos equipamentos, conhecendo a função e o beneficio de cada um, como o arco cirúrgico, equipamento utilizado durante cirurgias ortopédicas.

“Esse equipamento proporciona uma melhora significativa no procedimento cirúrgico como a assertividade na cirurgia. É também um beneficio muito grande para o paciente, tendo em vista que antes era preciso deslocá-lo até a sala de raio x, hoje esse aparelho fornece uma imagem instantânea e de alta resolução durante o ato cirúrgico”, relata Rodrigo da Rocha, ortopedista e traumatologista.

O hospital municipal realiza em média 15 cirurgias ortopédicas semanalmente por meio do processo de agendamento, além das demandas de urgência. De acordo com a gerente de enfermagem do HMP, Nilcélia Farias, os novos equipamentos fornecem maior segurança no diagnóstico e condutas a serem tomadas pelos profissionais.

“Dos equipamentos uma grande novidade na rede municipal de saúde foram os dois cardiotocógrafos que servem para auxiliar os profissionais no acompanhamento do trabalho de parto”, explicou a enfermeira informando que o equipamento emite um registro gráfico da frequência cardíaca fetal.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Rômulo Maia, os novos aparelhamentos fazem parte de uma série de melhorias na rede municipal de saúde. “Esse arco cirúrgico é o melhor do estado do Pará na rede pública, em termo de tecnologia”, disse o secretário, destacando que para sua aquisição a Prefeitura investiu R$ 329 mil, com recurso próprio.

Além dos equipamentos, o prefeito também conferiu a qualidade da nova rouparia do hospital, adquirida recentemente. O material é utilizado na maternidade, centro cirúrgico, pronto socorro e em procedimentos de internação e lençóis de cama.