Category Archives: Hospital Municipal de Parauapebas

Semsa disponibiliza resultado de exames a doadores de sangue da campanha de 2013

 

Já estão disponíveis os resultados dos exames realizados durante a campanha de doação de sangue ocorrida nos dias 26 e 27 de outubro do ano passado. Os exames podem ser retirados pelos doadores na Agência Transfusional, localizada no Hospital Municipal de Parauapebas, até o dia 28 de fevereiro.

Para ter acesso ao resultado dos exames, basta que o doador apresente um documento de identificação com foto. A retirada pode ocorrer de 8h às 12h e de 14h às 18h, de segunda a sexta-feira. Ao todo, são oito resultados, entre eles, Hepatites, HIV e Doença de Chagas.

O Hospital Municipal de Parauapebas está localizado na rua A, S/N, Quadra 7, Lote especial.

Parauapebas: grupo de trabalho define ações para acelerar obras na saúde

O governo municipal criou um grupo de trabalho com o objetivo de acelerar a finalização da obra do novo hospital municipal, assim como realizar a reforma do atual Hospital Municipal Teófilo Soares e a construção de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) até o final desse ano.

Integram esse grupo de trabalho o prefeito Valmir Mariano, os secretários de saúde, Rômulo Maia, e de obras, Dário Veloso, o procurador geral do município, Marcones José dos Santos e o assessor de comunicação Walmor Costa. Nesta segunda-feira (27) o grupo realizou uma visita para acompanhar o andamento das obras do novo hospital e verificar a real necessidade de reforma do hospital atual.

A visita foi realizada no período da manhã e na parte da tarde o grupo se reuniu para definir as ações. Durante a reunião, o secretário de obras informou que a primeira etapa do novo hospital deverá ser entregue em outubro , quanto ao hospital atual ficou definida a realização de uma reforma completa até o final do ano.

Em relação à construção de uma UPA, ficou definida a realização até o final do ano, obra que vai desafogar o atendimento no hospital municipal, de acordo com o secretário de saúde. Rômulo Maia antecipou também que fará a ampliação da Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) neonatal, com apoio de recursos do governo federal por meio do programa cegonha.

Foto: Anderson Souza | Fonte: Ascom

Hospital Municipal deve ser inaugurado até dezembro

Iniciada há mais de cinco anos, com recursos públicos da ordem de R$ 40 milhões, a construção do prédio do novo hospital municipal de Parauapebas, finalmente, encerra no final deste mês, quando, então, as instalações começam a receber móveis, equipamentos e demais aparelhos hospitalares. A revelação à Reportagem do CORREIO DO TOCANTINS é do secretário municipal de Saúde, Afonso Mata Vidinha.

Promessa de campanha do atual prefeito Darci José Lermen (PT), a construção do novo hospital teve início por volta de 2007, ainda na primeira gestão do alcaide, com previsão de ser inaugurada dentro de seis meses. De lá para cá, várias datas de inauguração já foram anunciadas, mas a obra nunca foi concluída.

Com nível de média e alta complexidade, a unidade pública de saúde, que vem sendo construída com capacidade de 155 leitos, de acordo com o secretário, será inaugurada no mês de dezembro, quando encerra o mandato do atual prefeito do município.

A princípio, o novo hospital vai começar a funcionar em janeiro por etapas, iniciando com o funcionamento pleno da maternidade, que atende a uma média de quatro mil partos por ano. Em seguida, os outros departamentos do hospital entrarão em funcionamento.

Indagado sobre a atual capacidade funcional do antigo hospital municipal “Teófilo Soares”, com 74 leitos, Afonso Vidinha informou que aquela casa de saúde funciona hoje com a prestação de serviços de cerca de 700 profissionais, a metade do que vai precisar o novo hospital de Parauapebas. Para suprir esta lacuna, é necessário que o governo municipal realize concurso público para contratação de novos servidores.

CAPACITAÇÃO
Com a recente saída da Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) Bem Viver da administração do hospital, a Prefeitura de Parauapebas celebrou convênio com a Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa, (Fadesp), com o objetivo de capacitar os servidores do HMP para assumirem a nova casa de saúde pública, a partir de janeiro de 2013.

“A Fadesp é a instituição que vai nos auxiliar a implantar um programa de desenvolvimento e capacitação do pessoal que atua na área de saúde. O foco do programa é fazer com que esses servidores estejam aptos a trabalhar no novo hospital municipal”, detalha o secretário municipal de Saúde.

Fonte: Waldyr Silva – Correio do Tocantins

Parauapebas: Conselho Municipal de Saúde se reúne amanhã para decidir sobre permanência da Oscip a frente do Hospital Municipal

Amanhã, 23, às 14 horas, no anexo da Secretaria de Saúde, acontece reunião do Conselho Municipal de Saúde de Parauapebas com a seguinte pauta:

- Saída da Oscip Bem Viver do comando do Hospital Municipal Teófilo Soares;

- Capacitação dos conselheiros;

- Apresentação de prestação contas da gestão 1° quadrimestre, entre outras.

Parauapebas: Conselho Municipal de Saúde deverá reprovar contas da Oscip Bem Viver. Parceria não deu certo e está perto do fim.

Em Parauapebas, as ações vinculadas a saúde devem receber um parecer do Conselho Municipal de Saúde, órgão permanente e deliberativo formado por representantes do Governo, dos prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários.

O CMS atua na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde, inclusive nos aspectos econômicos e financeiros.

Como agente controlador da saúde, o Conselho Municipal recebeu, para fiscalização e aprovação, as contas da Oscip Bem Viver ( que administra o Hospital Municipal Teófilo Soares ) referentes aos últimos doze meses.

As referidas contas foram encaminhadas à uma Comissão Interna do CMS para análise. Segundo relatou um dos conselheiros, não existe a menor possibilidade das mesmas receberem um parecer pela aprovação, tamanha a discrepância dos números.

Reunião da Comissão Interna para emissão do parecer final está agendada para o dia 16 de agosto. Já a reunião que votará o parecer e aprovará ou não as contas apresentadas pela Bem Viver deverá acontecer no dia 23 de agosto.

Parece que a parceria Prefeitura de Parauapebas/ Oscip Bem Viver não anda nada bem. Segundo informações, em julho, o atual secretário de Saúde, Afonso Vidinha, só teria autorizado o pagamento da Folha de Pagamento e outras despesas essenciais ao funcionamento do Hospital administrado pela Oscip.

É bom lembrar que essa parceria com a Oscip foi aprovada pelo CMS em 17 de maio de 2011. Este Blogger esteve presente nesta reunião e é testemunha que houve a aprovação sob a tutela de que caso a ação não desse certo poderia ser rescindida a qualquer momento. De lá pra cá várias ações judiciais foram impetradas contra a contratação da citada Oscip e não houve a tão esperada e relevante melhora nos serviços naquela casa de saúde.

Segundo o contrato celebrado entre as partes, PMP e Oscip, este pode ser rescindido por qualquer das partes a qualquer momento. Resta saber se a Semsa e a PMP esperarão a desaprovação das contas pelo Conselho Municipal de Saúde para tomar a atitude de rescindí-lo.

Parauapebas: Câmara quer analisar contrato da prefeitura com a empresa DECOL, responsável pelas obras do Hospital Municipal

Durante a sessão ordinária que será realizada nesta terça-feira, a partir das 16 horas, na Câmara Municipal, uma das propostas a serem discutidas é o Requerimento N° 066/2012, que solicita à prefeitura e a Secretaria Municipal de Obras cópias dos processos licitatórios, contratos, aditivos e notas fiscais referentes aos serviços executados pela empresa DECOL –Decorações Engenharia e Comércio LDTA em Parauapebas.

O requerimento é de autoria do vereador Antônio Massud, do PTB. Segundo o parlamentar, no período de janeiro de 2011 a julho de 2012, a DECOL recebeu mais de R$ 34 milhões por diversas obras, dentre elas a do Hospital Municipal, cujo prazo de conclusão já venceu.

Cinco propostas de lei também serão apresentadas hoje, sendo quatro de autoria do Poder Executivo:

O projeto de lei 014 dispõe sobre a alteração da Lei N°4.253, que trata da política municipal de meio ambiente, sistema, conselho, fundo, controle e licenciamento; e da Lei 4.252, que institui taxas ambientais pelo exercício de poder de polícia e as tarifas da Secretaria Municipal de Serviços Ambientais. A alteração tem como objetivo adequar o município as exigências da Secretaria Estadual de Meio Ambiente para a concessão de licenciamento ambiental de impacto local.

Já as propostas de números 018/2012 e 021/2012 dispõem sobre a declaração de Zona Especial de Interesse Social de lotes dos Residenciais Vila Nova, Jardim Ipiranga e Jardim Tropical, 1ª e 2ª etapas.

O projeto de lei N° 025 estabelece que a unidade educacional localizada na Rua A-12, quadra 24, no Bairro Cidade Jardim fica denominada “Escola Municipal de Educação Infantil Ruth Rocha”.

Entrará na pauta ainda o projeto N° 055/2011, de autoria da vereadora Percília Martins, do PRTB, que estabelece a forma de funcionamento dos serviços de farmácia e drogarias de Parauapebas.

Fonte: Assessora de Imprensa da CMP

Sessão da Câmara Municipal de Parauapebas de 22 de maio de 2012

A Câmara Municipal de Parauapebas será o primeiro Legislativo da região Norte a criar Frente Parlamentar Municipal de DST/AIDS. Saúde e água também foram objetos de discussão na última sessão da Câmara de Parauapebas.

Parauapebas entrou para a história na luta contra a Aids. Na sessão de 22 de maio, na Câmara Municipal de Parauapebas, foi apresentado o “ParlamentAids”, projeto da ONG/AIDS GAPP+, que tem como objetivo criar a Frente Parlamentar Municipal de DST/HIV/AIDS e Hepatites Virais. A Câmara de Parauapebas será o primeiro Legislativo Municipal a criar essa Frente na região Norte do país.

A Câmara ..Segundo Joddal Simon, coordenador geral do GAPP, um novo rumo foi traçado na política de enfrentamento ao HIV/Aids. “O GAPP(Grupo de apoio às Pessoas Vivendo com HIV/Aids e Prevenção) é uma instituição de apoio, que luta pela construção de políticas públicas para as pessoas vivendo com Aids. Em Parauapebas, temos 410 casos, sendo 221 feminino e 189 masculino. Desses, 260 fazem uso regular de medicamentos. Mais de 18 países querem copiar nosso projeto. A Câmara de Parauapebas, é o primeiro Legislativo a criar essa Frente e, terá o dever e a responsabilidade na política sobre Aids. A Câmara vai votar sim para essa comissão”.

A Câmara de Parauapebas mostrou seu apoio na luta contra a Aids. “Essa Casa assume esse compromisso de criar, instituir a Frente Parlamentar com políticas públicas a fim de fortalecer os programas de prevenção e combate às DST’s e hepatites virais”, disse Zé Alves, presidente da Câmara.

Saúde e água
Na sessão, o vereador Antônio Massud apresentou três requerimentos. O primeiro pede ao secretário municipal de Saúde, Alex Ohana, explicações sobre a não realização da audiência pública de avaliação da atuação da OSCIP Bem Viver, como gestora do Hospital Municipal Teófilo Soares, visto que ficou acordado entre o Legislativo e o secretário a prestação de contas dos serviços após 100 dias de vigência da OSCIP, e em razão desse acordo optou-se por uma audiência pública. No entanto, mais de um ano já se passou e nada.

Segundo Massud, a referida OSCIP foi contemplada com R$ 35 milhões, conforme informações colhidas junto à própria Prefeitura, através do Portal da Transparência. “E a população não tem visto melhorias. De acordo com denúncias na imprensa, a mesma OSCIP firmou convênio similar em Timon, MA, o qual tem estrutura semelhante ao de Parauapebas, por valor quase cinco vezes menor”.

“O histórico dessa OSCIP é de envolvimento com corrupção, desvio de dinheiro. Tudo isso deixou uma dúvida! E conseguiram piorar a saúde no município. Tenho como provar que ela gastou 20 milhões a mais do que se gastava nas outras gestões. Por ser OSCIP, tem total autonomia para usar o dinheiro”, disse o vereador Adelson Fernandes,

que solicitou ainda que a Prefeitura faça um distrato e que na audiência pública haja uma prestação de contas.

O requerimento foi aprovado, assim como o que solicita a instalação de poço artesiano para atender a comunidade do Alto Bonito, nas proximidades das Casas Populares II. Assim como melhoria nas vias de acesso e trafegabilidade.

Outro problema encontrado pelo vereador Massud em visita às comunidades é a falta de água no município. O vereador requereu a convocação do gestor do Serviço Autônomo de água e Esgoto de Parauapebas (Saaep) para dar explicações sobre os problemas relacionados ao abastecimento de água em Parauapebas.

“Precisamos de uma resposta. Se vai voltar ao normal, se vai acabar o racionamento. O  Saaep é uma autarquia, tem um orçamento de nove milhões, aumentou o número de contratações e não normaliza o abastecimento de água. Faremos o convite, se não atender solicitarei uma audiência pública”, disse o vereador Massud.

Indicações
O vereador Israel Pereira, Miquinha, apresentou duas indicações, que foram aprovadas. Uma delas pede a construção de uma creche no bairro Casas Populares II. Segundo o vereador, há áreas públicas no local, basta o governo providenciar a construção.

“Uma boa qualidade de vida depende do investimento em educação, é a base, a capacidade de transformar o cidadão para melhor”, disse Massud.

A outra indicação refere-se à implantação de semáforo na interseção da Avenida Inglaterra com a Rodovia Faruk Salmen, no bairro Novo Horizonte. Segundo Odilon Rocha, com a duplicação da Faruk Salmen e inauguração da Feira do Produtor nas proximidades do local, irá aumentar o fluxo, fazendo-se necessário o semáforo.

Projetos de Lei
Foi aprovado em primeira discussão o projeto que cria o Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (Comseans) de Parauapebas.

Em segunda discussão, foram aprovados todos os projetos apresentados. Um deles autoriza o poder executivo a conceder títulos definitivos de terrenos urbanos no município. Os outros referem-se às denominações de escolas. A escola do bairro da Paz será Escola Municipal de Ensino Fundamental Machado de Assis, a do Guanabara, Escola Municipal de Ensino Fundamental Irmã Laura e a do Cidade Jardim, Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Terezinha de Jesus.

Por Ascom/Câmara Municipal de Parauapebas

Parauapebas: em entrevista na rádio Arara Azul Raimundo Cabeludo (PR) desafia Darci (PT)

Em entrevista concedida ontem ao radialista Demerval Moreno, durante o Programa Alerta 96, o empresário Raimundo Cabeludo desafiou o prefeito Darci Lermen. Raimundo disse que se o prefeito entregar o novo hospital funcionando ainda em sua gestão, ele desfilará pelas ruas de Parauapebas vestido de saia.

Raimundo Cabeludo afirmou também que é o pré-candidato do PR à prefeito de Parauapebas em 2012.

Confira abaixo o áudio da entrevista:

[soundcloud url="http://api.soundcloud.com/tracks/45140689" iframe="true" /]

Parauapebas: HM registra 59 ocorrências no período do carnaval

imageA Oscip Bem Viver, que administra o Hospital Municipal Théofilo Soares, em Parauapebas, encaminhou relatório de acidentados que deram entrada no setor de emergência do Hospital no período compreendido entre os dias 17 e 22 de fevereiro, quando do evento do carnaval.

Segundo o relatório foram registradas 59 ocorrências no período, sendo 14 na sexta-feira (17); 13 no sábado (18); 26 no domingo (19); 15 na segunda-feira (20); 8 na terça-feira (21) e 08 nessa quarta-feira (22). Foram 40 ocorrência de pacientes que se envolveram em acidentes automobilísticos, 18 com armas de fogo ou branca e um espancamento.

A quem cabe a condução da saúde em Parauapebas?

Desde abril de 2011 a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – OSCIP – Bem Viver foi a escolhida pela Prefeitura de Parauapebas, através da Secretaria Municipal de Saúde, para administrar o Hospital Municipal Teófilo Soares. Quando de sua contratação houve vários debates, reuniões políticas e, mesmo contra a vontade do diretório municipal do PT, partido que administra o município, o contrato com a Bem Viver foi assinado.

Questionado, o secretário de saúde, Alex Pamplona, que havia assumido a pasta há poucos dias, disse que via na contratação de uma OSCIP a única maneira de melhorar o atendimento naquela casa de saúde e que isso seria notado em no máximo seis meses.

Seis meses depois algumas melhoras são notadamente sentidas, não se pode negar. Todavia, alguns esclarecimentos devem ser dados para que a população tenha conhecimento de como está o Hospital e consequentemente a saúde municipal com a contratação da Bem Viver.

Alex Pamplona, o secretário de saúde, é um rapaz novo, no último sábado completou seu 30º aniversário. Formado em administração pela UFPA, Tecnólogo em informática pelo IFPA, tem especialização em planejamento e gestão e rede de computadores, MBA – Master in Business Administration – em gerenciamento de projetos e mestrando em ciência da computação, ninguém aqui questiona sua qualificação para o cargo, contudo, existem várias queixas de maus tratos, perseguição e até uma suposta ameaça de morte feita a um servidor, desafeto do secretário.

Deixando as picuinhas de lado, pois sabemos que em grande parte tais queixas devem ter sido apresentadas por funcionários insatisfeitos, vamos aos fatos que realmente merecem ser analisados: a Prefeitura de Parauapebas tinha um contrato com a Clean para o recolhimento do lixo patológico hospitalar do município, contrato que foi unilateralmente cancelado sem que laboratórios, clínicas e hospitais particulares fossem regularmente avisados. Esse cancelamento deixou os particulares sem o serviço de recolhimento do lixo por cerca de três dias. Quando algumas clínicas entraram em contato com a Clean para saber dos motivos da não continuidade do serviço, foram avisados que teriam que contratá-la particularmente ( vejo aqui um erro administrativo, já que não é obrigação da PMP recolher o lixo de particulares, a não ser que houvesse um convênio para tal).

Até onde se sabe, visto que não há a real transparência no site oficial da PMP, esse contrato foi celebrado e era administrado pela SEFAZ e não pela SEMSA. A OSCIP Bem Viver, de imediato, contratou uma empresa de Imperatriz-MA para fazer o serviço de recolhimento do Hospital Municipal. Há denúncias, ainda não confirmadas pelo Blogger, de que tal empresa é ligada ou de propriedade dos donos da OSCIP Bem Viver.

O mesmo acontece com a lavanderia do Hospital, com o fornecimento de medicamentos e material de consumo e com exames laboratoriais não executados  no HM, todos os serviços terceirizados do HM são feitos, na maioria das vezes, por empresas do Maranhão ligadas a OSCIP Bem Viver.

Quanto ao serviço executado pela OSCIP Bem Viver quando administradora do Hospital há queixas de falta de equipamento, de material de consumo e da eterna e contumaz falta de medicamentos na farmácia do Hospital Municipal. O secretário diz que a contratação da Bem Viver trouxe um ganho muito grande ao município. Pode ser, mas que ganho? O da economia, já que ele alega ter economizado milhões por mês depois que a Bem Viver passou a administrar o HM.

Preciso perguntar ao secretário, que tem um currículo tão bom, o que é economia quando se trata com a saúde? Deixar de adquirir medicamentos só porque o orçamento previsto de gastos do mês foi superado e ter que adquiri-los no próximo mês para que os números sejam favoráveis, deixando a população pobre a mercê das farmácias particulares é economia? Deixar de recolher o lixo de outras empresas de saúde, em uma notória intromissão na administração da saúde municipal, é economia?

É bom lembrar que a OSCIP Bem Viver foi contratada para administrar o Hospital Municipal Teófilo Soares e não a secretaria municipal de saúde, ou eu estou enganado?

Picuinhas de políticos que querem aparecer e aproveitam alguns momentos para tal não me interessam. É notório que algumas melhorias aconteceram no HM, todavia, não queremos ver nossa saúde entregue a pessoas que só buscam o lucro, nem que haja interferência na administração da saúde do município, que deve ser conduzida pela SEMSA, em parceria com o Conselho Municipal de Saúde. A obrigação da OSCIP Bem Viver é a de administrar o Hospital, ou houve algum aditivo nesse contrato que não foi noticiado? Se não, que ela cuide de sua obrigação e que o secretário cuide do resto, sempre alerta para que não se instale aqui a máfia que se tornou a saúde no Maranhão, se for capaz!